João Pais Pinto, mais conhecido por Abade Pais, ou Abade de S. Nicolau

 

Abade Pais, um Padre Republicano, que não chegou a ver a República nascer.

 

Abade PaisABADE PAIS, de seu nome completo, João Pais Pinto, Padre e Político, nasceu em Silgueiros (Viseu), a 01-01-1855,  e faleceu em Cabanas do Viriato (Carregal do Sal), em 1906. Sacerdote, Bacharel formado em Teologia pela Universidade de Coimbra. Recebeu ordens de Presbítero em 1877.

Em 1789 foi encarregado pelo Bispo-Conde de Coimbra da direcção espiritual do Convento de Sanra Clara de Coimbra, cujo cargo exerceu até terminar a sua formatura, em 1883, residindo sempre no hospício do mesmo Convento. Enquanto estudante da Universidade fundou, em Coimbra, várias associações de beneficência, tais como a Conferência de São Vicente de Paulo, e presidiu a várias agremiações religiosas, e promoveu uma peregrinação de estudantes ao Sameiro.

Depois de formado foi nomeado pelo Arcebispo de Évora para Professor e Director espiritual do seu Seminário, cujo lugar exerceu até 1887, ano em que foi paroquiar a Freguesia de São Nicolau, do Porto. Fez parte da comissão promotora de Socorros às Vítimas sobreviventes do incêncido do Teatro Baquet, manifestando na aplicação do montante da subscrição os sentimentos liberais e de igualdade fraternal. Movido pelos sentimentos patrióticos, quando foi do Ultimatum inglês, em Janeiro de 1890, apresentou-se nos comícios e reuniões; ele próprio promoveu vários comícios, assumindo a sua responsabilidade, filiando-se definitivamente no Partido Republicano.

Quando da revolução do Porto de 31-01-1891, envolveu-se nela e respondeu em Conselho de Guerra, tendo estado detido no navio Moçambique, sendo absolvido. No julgamento confessou que escrevera diferentes artigos no jornal República Portuguesa, e que presidira ao Clube Republicano Bessa de Carvalho. Declarou, porém, que no dia da revolta estava por acaso na Praça D. Pedro, tendo saído de casa para tratar de assunto relativo ao seu mister sacerdotal. Em Junho de 1892, de combinação com o Governador Civil do Porto, requereu a Igreja de Cabanas, para onde se retirou. Em 1906 veio a Lisboa tratar-se de uma grave enfermidade, de que veio a morrer na Freguesia onde passava os seus últimos anos de vida.

O seu nome faz parte da Toponímia de: Barcelos (Freguesia de Roriz); Carregal do Sal (Freguesia de Beijós), Lisboa (Freguesia de Benfica, Edital de 18-06-1926).

Fonte. “Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira” (Volume 20, Pág. 8)

Advertisements

No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: