“PESSOAS VINCULADAS AOS CTT” .

8o-correio-mor-do-reinoOs CTT, com este ou com outros nomes que foram tendo ao longo dos anos, tiveram, para o seu prestígio e engrandecimento, a contribuição de muitas pessoas. São essas pessoas que, dentro da medida do possível, que pretendo dar a conhecer.

Duarte de Sousa da Mata Coutinho, foi o 8º CORREIO-MOR, exerceu o cargo de 1674 a 1696. Nasceu entre 1640 e 1647, e faleceu na Freguesia da Ajuda (Lisboa), a 08 de Novembro de 1696. Era filho do 7º Correio-Mor, Luís Gomes da Mata, a quem sucedeu no morgado e no ofício, e de D. Violante de Castro.

Fidalgo da Casa Real, como o pai e os avós, foi muito estimado na Corte pelas suas prendas, agrado e generosidade. Viajou largamente pela Europa, eparece mesmo que por algum tempo residiu na Corte de Turim, onde grangeou a estima do Rei da Sardenha Vítor Amadeu II.

Casou com D. Isabel de Caffaro, senhora notabilíssima estirpe e de largos haveres, que nasceu em Messina, a 15 de Março de 1661 e faleceu me Lisboa, a 27 de Novembro de 1743, filha de D. Tomás Caffaro, Barão de Gray, General de Artilharia e primeiro Senador da Cidade dre Messina.

Houve deste consórcio, além do primogénito, Luís Vitório de Sousa Mata Coutinho, 9º Correio-Mor, mais dois filhos e quatro filhas; e fora do matrimónio uma ninhada de bastardos.

Faleceu no seu Palácio do Bom Sucesso, junto ao recolhimento do mesmo nome, e foi sepultado no Convento de Santo António da Convalescença, à Cruz da Pedra.

Tem uma explicação a circunstância de este Correio-Mor não ser sepultado, como os antecessores, na Capela de Nossa Senhora da Pérsia, da Igreja dos Religiosos Agostinhos, da Graça, que o primeiro Mata comprara para a derradeira morada da família.

O Convento de Santo António da Convalescença foi fundado pelo Cónego Duarte Gomes da Mata em uma quinta que possuía no sítio da Cruz da Pedra, no Caminho de Benfica, e por ele doado, em 29 de Março de 1663, aos Frades Capuchos da Província de Santo António, para o utilizarem na convalescença dos doentes que das próximas Casas da Ordem viessem curar-se à Cidade.

Para a ajuda do sustento estabeleceu-lhe mil réis cada semana, e para a fábrica da Igreja mil réis por cada ano, como padroeiro e fundador, a Igreja e Capela-Mor para jazigo da família, ou das pessoas que ele entedesse. Pela morte do Cónego foi o padroeiro incluído no morgado dos Correios-Mores, onde se conservou até à abolição das Ordens Religiosas.

Em 08 de Setembro de 1746 presidiu o Correio-Mor de então, José António da Mata de Sousa Coutinho, ao lançamento da primeira pedra da nova Igreja, que veio a ser benzida solenemente, depois de concluída, em 12 de Junho de 1752.

De um inventário elaborado em 1785, sabe-se que a Igreja tinha nessa data, além do altar mor, mais quatro capelas: de Santana; de São João; de Nossa Senhora das Dores; e do Senhor Jesus da Paci~encia. Em 1822, o edifício, ainda muito bem conservado, tinha uma população de dez religiosos (oito sacerdotes e dois leigos), mas podia albergar quinze a dezasseis.

Extintos os Conventos, em 1834, foi este vendido, e transformado pelo comprador no palacete que aincda hoje ali existe; a Igreja, porém, conservou-se, mercê da piedade dos moradores do sítio, que se cotizaram para fazer face às despesas do culto, e só há poucos anos, depois do advento da República, ela foi profanada e o seu recheio leiloado.

No sítio da Igreja, está hoje (1963) um prédio com lojas e 5 andares. Nomeou testamenteiro a João Duarte da Costa, seu homem de confiança e Oficial-Maior dos Correios.

Da Administração de Duarte de Sousa da Mata Coutinho não ficou outro rasto além do Alvará de 20 de Junho de 1694, que confirmou os privilégios já conferidos aos Mestres de Postas pelos Diplomas anteriormente citados, de 1581 e de 1673, e os ampliou com outros novos: o de aposentadoria e o de trazerem espingardas, tanto eles, Mestres de Posta, como os seus Postilhões.

O Convento de Santo António da Convalescença, muito alterado ao longo dos tempos, localiza-se na Estrada de Benfica, nº 275, onde funcionou a Universidade Internacional, agora transformada em Instituto Superior Politécnico Internacional.

A Estrada de Benfica, actualmente, interrompida em vários locais e com designações diversas, começava no que é hoje o Largo de São Sebastião da Pedreira, englobava as actuais Ruas Dr. Nicolau Bettencourt e Professor Lima Basto, pertenceu às Freguesias de Benfica e de São Sebastião da Pedreira, pertence, desde 1959 à então, criada, Freguesia de São Domingos de Benfica.

Da administração de Duarte de Sousa da Mata Coutinho não ficou eotro rasto além do alvará de 20 de Junho de 1694, que confirmou os privilégios já conferidos aos Mestres de Postas pelos diplomas anteriormente citados, de 1581 e de 1673, e os ampliou com outros novos: o de aposentadoria e o de trazerem espingarda, tanto eles, Mestres de Posta, como os seus Postilhões.

Fonte: “Dos Correios-Mores do Reino aos Administradores Gerais dos Correios e Telégrafos”, (De Godofredo Ferreira, 2ª Edição, revista e aumentada, Lisboa, 1963)

Bibliografia: “Assistentes do Correio-Mor do Reino em Viseu”, (por Godofredo Ferreira, Edição dos CTT, Lisboa 1960)

Fonte: “Velhos Papéis do Correio”, (de Godofredo Ferreira, Editado pelos CTT, Edição de 1949)

Anúncios

No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: