“Lembramos hoje, a Actriz Zita Duarte que, se fosse viva, faria 73 anos de idade”

 

carnaxide-0236ZITA Glória DUARTE Silva, Actriz, natural de Cascais, nasceu a 17-02-1944 e faleceu a 14-01-2000. Quando fez o Curso Liceal, ingressou no Conservatório, onde concluiu o Curso de Teatro no Conservatório Nacional, em 1964, mas já antes se estreara como Actriz, integrando o elenco da Casa da Comédia na peça «Deseja-se Mulher», de Almada Negreiros, numa encenação de Fernando Amado. Findo o Conservatório passou seis meses em Paris.

Em 1965, fez parte do grupo que fundou o TEC – Teatro Experimental de Cascais, onde permaneceu até 1975.

De 1965 a 1974 integrou o TEC, participando en diversas peças, como: «Esopalda», «Bodas de Sangue», «Um Chapéu de Palha de Itália», «Comissáio da Polícia», «A Maluquinha de Arroios», «Ivone», «Princesa de Borgonha», «Camões 71», «Acto Sem Palavras», e «Maçã». Trabalhou, como bolseira da Fundação Gulbenkian, durante 2 anos, na Alemanha.

No cinema entrou em filmes como: Domingo à Tarde (1966, de António de Macedo); D. Quixote (1967, de Carlos Avilez e Yves Jamiaque); Sete Balas para Selma, (1967, de António de Macedo); Dom Duardos, (1968, de Félix Ferreira); O Cerco, (1970, de António da Cunha Telles); Uma Abelha na Chuva, (1972, de Fernando Lopes); Fuenteovejuna, (1974, de Victor Manuel);  O Mal-Amado, (1974, de Fernando Matos Silva); Es Herrscht Ruhe Im Land, (1976, de Peter Lilenthal); Os Demónios de Alcácer Quibir, (1977, de José Fonseca e Costa); Nós Por Cá Todos Bem, (1978, de Fernando Lopes); O Rei das Berlengas, (1978, de Artur Semedo); Mata e Esfolas, (1979); E Não de Pode Exterminá-lo?, (1979, de Solveig Nordlund e Jorge Silva Melo); A Princesinha das Rosas, (1981, de Noémia Delgado); Conversa Acabada, (1981, de João Botelho); A Ilha dos Amores, (1982, de Paulo Rocha); Jogo de Mão, (1983, de Monique Rutler); Ninguém Duas Vezes, (1984, de Jorge Silva Melo); Crónica dos Bons Malandros, (1984, de Fernando Lopes); O Barão de Altamira, (1986, de Artur Semedo); O Desejado, (1987, de Paulo Rocha); A Mala de Cartão, (1988); Erros Meus, Má Fortuna, Amor Ardente, (1989, de Jaime Campos); Rosa Negra, (1992, Margarida Gil); Procura-se, (1993); O Fim do Mundo, (1993, de João Mário Grilo); Gladiadores, (1997, de Artur Ramos); Ossos, (1997, de Pedro Costa); O Anjo da Guarda, (1998, de Margarida Gil); Requiem, (1998, de Alain Tanner); Longe da Vista, (1998, de João Mário Grilo); Jaime, (1999, de António-Pedro Vasconcelos); Mal, (1999, deAlberto Seixas Santos).

Recebeu o Prémio de Melhor Actriz de Teatro de Revista, em 1984. Em 1985 foi distinguida no Festival de Cinema de Rimini, pelo seu desempenho em «Jogo de Mão», e recebeu também o troféu da revista «Nova Gente» para melhor espectáculo musicado de revista com a peça «Mulheres de Calças».

O seu nome faz parte da Toponímia de: Cascais (Freguesias de Cascais e Parede); Oeiras (Freguesia de Carnaxide); Seixal (Freguesia de Fernão Ferro).

Fonte: “Jornal Público”, (Edição de 15-01-2000, por Rui Ferreira e Sousa)

Fonte: “O Grande Livro do Espectáculo”, (Personalidades Artísticas do Século XX, 1º Volume, de Luciano Reis, Editado por Fonte da Palavra, 1ª Edição, Novembro de 2010, Pág. 347, 348 e 349)

Advertisements

No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: