José Barros Moura, um antifascista na Toponímia de Évora e de Felgueiras, aqui fica uma pequena homenagem no dia em que faz 14 anos que nos deixou

Barros MouraJOSÉ Aurélio da Silva BARROS MOURA, Político, nasceu no Porto, a 08-10-1944, e faleceu em Lisboa, a 25-03-2003. Era filho de Manuel de Barros Moura e de Dulce Beatriz de Andrade Silva. Estudou na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, onde foi dirigente da Associação Académica de Coimbra nos anos 60 e da organização de estudantes comunistas, entre 1966 e 1970, e onde se Licenciou, obtendo mais tarde o Mestrado em Ciências Jurídicas na Universidade Clássica de Lisboa.

Como representante da Comissão Nacional dos Estudantes Portugueses, foi controleiro da facção cominista do Movimento Estudantil de Coimbra por conta do Partido Comunista Português durante a crise de 1969, encabeçando o grupo informal por conhecido por IBM “Intelligentsia Barros Moura).

Incorporado o Exército como medida disciplinar, foi colocado na Guiné, onde privou com Spínola e outros chefes do Movimento das Forças Armadas, e ascendeu a um cargo de responsabilidade na conspiração.

A seguir ao 25 de Abril de 1974, foi Director do Instituto do Trabalho, Previdência e Acção Social na Guiné em 1974, e em seguida Director-Geral das Relações Colectivas de Trabalho do Ministério do Trabalho, cargo que ocupou até finais de 1975, sendo depois Coordenador e Técnico do Gabinete de Estudos

Entre 1975 e 1976 foi membro da equipa de Carlos Carvalhas no Ministério do Trabalho e consultor jurídico da CGTP. Antes da ruptura com o PCP, seu partido de quase toda a vida, integrou a lista de deputados da APU, em 1985, sendo eleito, um ano mais tarde, ao Parlamento Europeu, cargo que manteve durante dois mandatos e que só abandonou após ter sido expulso do partido.

Fez parte da Plataforma de Esquerda, e quando esta adere ao PS, Barros Moura, e faz parte da Nova Maioria de António Gueterres. Foi eleito Presidente da Assembleia Municipal de Felgueiras. Nas últimas autárquicas, em 2001, foi das vozes críticas da direcção do PS, que apostou na manutenção da Presidente da Câmara de Felgueiras e, por causa disso, viria a integrar a lista lisboeta à Assembleia da República, em lugar não elegível.

O seu nome faz parte da Toponímia de: Évora; Felgueiras.

Fonte: “Dicionário do 25 de Abril”; (Verde Fauna, Rubra Flor, de John Andrade, Editora Nova Arrancada, Sociedade Editora, S.A.. 1ª Edição, Setembro de 2002, Pág. 41 e 42).

Anúncios

No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: