Passa hoje mais um ano sobre o nascimento do Poeta Gomes Leal, aqui fica um pouco da sua biografia.

 

Areeiro 0073António Duarte GOMES LEAL, Poeta português, natural de Lisboa, nasceu a 06-06-1848 e faleceu a 29-01-1921. Frequentou o Curso Superior de Letras, que não chegou a concluir, empregando-se depois como escrevente de um Notário lisboeta. Esteve ligado á literatura panfletária e folhetinesca da época. Foi co-fundador, em 1872, do jornal satírico O Espectro de Juvenal e, em 1881, de O Século.

Entretanto, em 1785, publicou o seu primeiro livro de poemas, »Claridades do Sul«. Em 1881, a publicação de »A Traição e o Herege« provocou um escândalo político e literário que tornou o seu nome célebre, ao atacar a coroa, a igreja e a sociedade burguesa numa manifestação de incentivo á revolução social, apanágio dre muitos escritores do período realista. Esta poesia de combate, que persistiu em »Anticristo«, (1886), não impediu a manifestação simultânea de uma problemática religiosa e humana, que procurava a redenção das questões misteriosas da vida do homem, por exemplo, no ocultismo, ou, após a morte da mãe (1910), na sua conversão ao catolicismo. Esta morte veio também colocar-lhe sérios problemas económicos. Recolhido por caridade, vivendo em casa de várias pessoas que dele se apiedavam ou mesmo nos jardins públicos, criando uma imagem de loucura vagabunda, inofensiva, foi-lhe atribuída, por intervenção de um grupo de escritores, uma pensão do Estado que lhe permitiu, a custo, sobreviver.

A obra de Gomes Leal resulta da confluência de uma série de tendências: a poesia combativa do Realismo, o parnasianismo, o Romantismo, o Simbolismo e mesmo um certo satanismo, a que se associaram os episódios dramáticos da sua vida de boémio. Todos estes elementos contribuíram para uma poesia visionária, torrencial e desigual, que fez dele um dos poetas mais singulares da moderna literatura portuguesa.

Para além das obras referidas escreveu ainda: A Fome de Camões, (1880); A Mulher de Luto, (publicada apenas em 1902); Mefistófeles em Lisboa, (1907); História de Jesus, (1883); Fim de Um Mundo, (1900, compilação da sua poesia de intervenção); A Senhora da Melancolia, (1910), e uma série de quadros satíricos da vida das grandes cidades.

O seu nome faz parte da Toponímia de: Almada; Amadora; Casscais (Freguesias de Alcabideche, Cascais e São Domingos de Rana); Lisboa (Freguesia do Areeiro, ex-Freguesia de São João de Deus, Edital de 18 de Julho de 1933, ex-Rua 6 do Bairro Social do Arco do Cego); Odivelas; Oeiras (Freguesia de Carnaxide); Portimão; Porto; Seixal (Freguesia de Corroios); Setúbal; Sintra (Freguesia de Rio de Mouro); Torres Vedras; Trofa; Vila Franca de Xira).

Fonte. “Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira” (Volume 12, Pág. 538)

Fonte: “Quem É Quem, Portugueses Célebres”, (Círculo de Leitores, Coordenação de Leonel de Oliveira, Edição de 2008, Pág. 293).

Anúncios

No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: