“Um Italiano na Toponímia de: Lisboa”

ALDO MORO, um político italiano vítima do terrorismo das Brigadas Vermelhas

 

 

Lumiar 2388ALDO MORO, Político, nasceu em Maglie (Itália), a 23-09-1916, e faleceu em Roma (Itália), a 09-05-1978. Formado em Direito, foi Professor na Universidade de Bari. Integrou a Assembleia Constituinte no pós 2ª Guerra Mundial e foi eleito Deputado nas Legislaturas seguintes.

O seu primeiro cargo governativo foi o de Subsecrtetário dos Negócios Estrangeiros (de Dezembro de 1947 a Maio de 1948). Posteriormente, foi Ministro da Justiça (1955-1957) e da Educação (1957-1959).

Quando uma crise interna ameaçava dividir a Democracia Cristã, Aldo Moro surgiu como figura central da corrente centrista, assumindo o cargo de Secretário-Geral do partido. Favorável a uma coligação com os socialistas, ajudou a derrubar o Governo de Fernando Tramboni, um conservador democrata-cristão, em 1960.

Volvidos três anos, Aldo Moro foi convidado para formar Governo. O seu executivo integrava alguns socialistas, o que acontecia pela primeira vez nos últimos 16 anos. O “chumbo” do Orçamento determinou o fim da sua própria experiência como Primeiro-Ministro, mas logo foi convidado para formar novo Gabinete, que durou até Janeiro de 1966. Neste período chegou a acumular o cargo de Primeiro-ministro com o de Ministro dos Negócios Estrangeiros, na sequência de demissão de Amintore Fanfani.

Foi convidado de novo para Primeiro-Ministro, deixando o cargo depois de derrotado nas eeições Legislativas de 1968. Aldo Moro voltou ao Governo entre 1970 e 1972, então como Ministro dos Negócios Estrangeiros.

Em Novembro de 1974, assumiu a liderança, pela 4ª vez, do executivo italiano, agora até 07 de Janeiro de 1976. Foi novamente indicado para formar Governo, que chefiou num curto período, entre 12 de Fevereiro e 30 de Abril.

Em Outubro desse ano foi eleito Presidente da Democracia Cristã. Não voltou a ocupar outro cargo governamental.

Dirigia-se para o Parlamento quando foi alvo de uma emboscada efectuada pelo grupo terrorista Brigadas Vermelhas, na manhã do dia 16 de Março de 1978. Numa acção que durou escassos minutos, cinco mortos ficaram no local: o motorista, o guarda-costas pessoal e os três “carabinneri” da escolta e, Aldo Moro, o então Presidente da Democracia Cristã, foi raptado. Iniciava-se um cativeiro que durou 55 dias e acabou de forma trágica.

O seu nome faz parte da Toponímia de: Lisboa (Freguesia do Lumiar).

Fonte: “Grande Enciclopédia do Conhecimento”, (Volume 11, Pág. 1854)

Anúncios

No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: