“PAIS e FILHOS (à moda antiga; isto é: Pais também engloba Mães e Filhos, também engloba Filhas), na Toponímia”.

A Toponímia, como tudo na vida, está sugeita aos ciclos políticos. No tempo da Monarquia, raros eram os nomes de Republicanos que era atribuídos a novas Artérias e, alguns que já estavam, ainda eram alterados.

Veio a República e, desta vez ao contrário, mas os nomes dos Monárquicos, deixaram de ser atribuídos e, muitos deles, foram alterados.

Chegado o Estado Novo, foram sendo mudadas as designações das Artérias com nomes de Republicanos e, daí para a frente, quem não estava com o regime, ficava, mesmo depois de morto, ostracizado.

Com o 25 de Abril de 1974, o processo foi o inverso, a grande maioria da Toponímia relacionada com o Estado Novo, foi subsituída, por nomes de personalidades que estavam “ostracizados”.

Como é evidente esta problemática não era sentida da mesma maneira em todo o País, era-o sim, mais sentida, nas grandes Cidades, com destaque para Lisboa.

Mesmo com todas estas condicionantes na atribuição da Toponímia, ainda se encontram alguns Topónimos em que figuram Pais, Filhos, e outros familiares na Toponímia.

No Município de Odivelas, existem na Toponímia, os nomes de: Adelina Abranches, Alfredo Ruas e Aura Abranches. Isto é: Mãe, filho e filha.

Aqui ficam alguns dados biográficos desta família de Actores.

Adelina AbranchesMargarida ADELINA ABRANCHES, Actriz, nascida no nº 11 da Travessa da Cruz do Desterro,  Freguesia dos Anjos (Lisboa), nasceu a 15-08-1866 e faleceu a 21-11-1945. Estreou-se no Teatro de D. Maria II, em Lisboa, em 1870, na comédia Os Meninos Grandes, fazendo um papel de criança.

Em 1874 entrou na mágica A Cebola Misteriosa, que se representou no antigo Teatro da Rua dos Condes, interpretando a parte de “Mulher dum Pescador” no quadro “A Ilha dos Pigmeus”. Dali voltou para o Teatro de D. Maria II a trabalhar, ao lado de Emília das Neves, no drama “A Mulher que deita cartas”, e, depois, na peça D. Leonor de Bragança, representando com êxito o papel de “D. Teodósio”.

Ainda como criança, pois contava então sete anos de idade, interpretou, ao lado de Joaquim de Almeida, o papel de “Pescador” da comédia A Varina, de Fernando Caldeira. Nesse tempo Adelina Abranches trabalhava alternadamente nos Teatros de D. Maria II e da Rua dos Condes.

Em 1880 teve a sua primeira escitura para o Teatro de Luiz de Camões, em Belém, onde tomou parte no desempenho da mágica Príncipe Argentino, e em 1882, foi escriturada, pelo Empresário e Escritor Salvador Marques, para o Teatro do Rato, onde fez o “Fagulha”, do drama Maria da Fonte e o “Gaivota”, do drama marítimo Mar e Guerra. Adelina Abranches foi uma das maiores figuras da cena, glória do teatro português. Representou em todos os teatros de Lisboa, Porto, Províncias e Ilhas, percorrendo com várias “tournées” a maioria dos Estados do Brasil.

As principais peças que interpretou são as seguintes: Botão de Âncora, Palhaço, D. Leonor de Bragança, Actor, Varina, Mistérios de Lisboa, Missionários, Oração dos Náufragos, Mulher que Deita Cartas, Maria da Fonte, Mar e Guerra, A Pérola, Revista de 1878, Dama das Camélias, Rosa Engeitada, Cruz de Esmola, Ressurreição, Aventuras de Richelieu, Gaiato de Lisboa, Avarento, Os Velhos, A Mãe, Bela Aventura, Vida Alegre, Duas Órfãs, Severa, Amor de Perdição, Afonso de Albuquerque, Marido Ideal, O Avô, Amores do Diabo, Auto da Maria Parda, Maternidade, Uma Anedota, A Bisbilhoteira, Domador de Sogras, Beijos por Lágrimas, Margarida do Monte, Zefa, Promessa, D. Formiga, Diabo Azul, A Garota, Madalena Arrependida, Rosas de Portugal, Cruz de Clarinha, O Fandango, Mártir de Calvário, Fausto e Margarida, Dor que Mata, Miquette o a Mamã, Seja Feita à Sua Vontade, Tia Carolina, José João, A Velha, Um Negócio da China, Ele, Prisão Celular, A Morte, Esta Máscara, A Dama Branca, Nun’Álvares, O Grande Amor, Bodas de Prata, A Alegria de Viver, A Migalha, O Caminho do Sol, O Condenado, As Feras, A Prosa, Missa Nova, As Vindimas, O Lodo, Justiça, Fascinação, D. Sebastião, O Gato Bravo, Fogo Sagrado, Os 3 Anabaptistas, Comédia da Vida, A Menina do Chocolate, As Doidivanas, Auto da Barca do Inferno, Não me Conheces?, O Convertido,  Os 4 Caminhos, Num Rupo, Orestes, A Mulher e os Fantoches, Acabou-se o Amor, etc.

No cinema entrou nos filmes: Lisboa, Crónica Anedótica, (de Leitão de Barros, 1930), Maria do Mar, (de Leitão de Barros, 1930) e Rosa do Adro (de Chianca de Garcia, 1938). Foi casada com o Empresário Luiz Ruas e era mãe dos artistas Aura Abranches e Alfredo Ruas. Era condecorada com a Ordem de Sant’Iago da Espada.

O seu nome faz parte da Toponímia de: Almada (Freguesia da Costa de Caparica), Barreiro (Freguesia do Lavradio), Lisboa (Freguesia de Benfica, Edutal de 10-11-1966, ex-Rua D da Quinta do Charquinho), Odivelas (Freguesia da Ramada), Seixal (Freguesia de Fernão Ferro).

Fonte: “Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira” (Volume 01, Pág. 100)

Fonte: “Dicionário de Mulheres Célebres, de Américo Lopes de Oliveira, Lello & Irmão Editores, Edição de 1981, Pág. 2 e 3”

Fonte: “Quem É Quem – Portugueses Célebres”, (Coordenação de Leonel Oliveira, Círculo de Leitores, Lisboa, 2008, Pág. 008 e 009).

Fonte: “Dicionário do Cinema Português 1895-1961” (de Jorge Leitão Ramos, Editorial Caminho, 1ª Edição, Outubro de 2012, Pág. 17, 18, 19, 20 e 21)

 

 

Alfredo Ruas, Actor e Autor Teatral, natural de Lisboa, nasceu a 20-12-1892 e faleceu em 1966. Era filho da Actriz Adelina Abranches e do Empresário Luís Ruas, e irmão da Actriz Aura Abranches.

Em 1909 estreou-se na peça A Feiticeira, de Victoriem Sardou, no antigo Teatro do Príncipe Real. Dois anos após à sua estreia realizou uma tournée às Ilhas e ao Brasil, com Leopoldo Fróis e Paquito Calvo, interpretando os galãs cómicos das operetas austríacas, nesse tempo de grande atracção pública. Pode-se dizer que actuou em quase todos os teatros portugueses.

De colaboração com Álvaro Leal escreveu a farsa em 3 actos O Cabo verde, e com Feliciano Santos, a farsa em 3 Actos O Campo de Aviação, traduziu do francês as seguintes peças: L’enfant de l’amor, de Henri Bataille; La Gamine, de Pierre Weber e Henri de Gosse; Pour Vivre Heureux, de Ives de Mirande; L’Amor defendu, de Romain Coolus;On Purge Bebé e Maria Colibri, de Georges Feydeau.

Actuou também como Actor de cinema nos filmes Amor de Perdição, no mudo, em 1921 e depois sonorizado em 1943; Documentário de Lisboa, em 1930, de Leitão de Barros; Trevo de 4 Folhas, em 1936; Feitiço do Império, em 1940; Chaimite, em 1952, etc.

O seu nome faz parte da Toponímia de: Odivelas (Freguesia da Ramada).

Fonte. “Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira” (Volume 26, Pág. 330)

 

 

 

Aura AbranchesAURA ABRANCHES Ruas Grijó, Actriz, natural de Lisboa, onde sempre viveu, nasceu a 09-05-1896 e faleceu a 22-03-1962. Era filha da Actriz Adelina Abranches e do empresário teatral Luís Ruas.

Actriz e escritora, estreou-se aos 12 anos, no Teatro Dona Maria II, na comédia “Zefa”. Como escritora dramática publicou algumas peças, de características ingénuas e românticas. Entre elas “Comédia da Vida”, em colaboração com Branca de Gonta Colaço e “Quantas Vezes a Mãe Canta”, com Alice Ogando. Morreu, enquanto trabalhava, no Teatro Dona Maria II.

Outras obras: Aquele Olhar, (1924); Três Cães a Um Osso, (1929); Cinema, (1937); Duas Vezes Somos Crianças, (comédias em 3 actos); Avó e Neta; Surpresa; Santa Teresinha; Uma Visita Inesperada; e Eva e o Fantoche, (em colaboração com Alice Ogando, comédia em 1 acto).

O seu nome faz parte da Toponímia de: Cascais (Freguesia São Domingos de Rana), Lisboa (Freguesia de Benfica, Edital de 31-01-1978), de Odivelas (Freguesia da Ramada), do Seixal (Freguesia de Fernão Ferro).

Fonte: “Dicionário Cronológico de Autores Portugueses”, (Vol. III, Publicações Europa América)

Fonte: “Dicionário de Mulheres Célebres, de Américo Lopes de Oliveira, Lello & Irmão Editores, Edição de 1981, Pág. 3”

Fonte: “Quem É Quem – Portugueses Célebres”, (Coordenação de Leonel Oliveira, Círculo de Leitores, Lisboa, 2008, Pág. 008).

Advertisements

No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: